SAÚDE PÚBLICA: MOTIVOS PARA A LEGALIZAÇÃO MUNDIAL DO ABORTO